Fly Dust: home








Seja  bem vindo a Escola de voo livre flydust, situada em Mogi das Cruzes e descubra que você pode voar…                                                                 

O Esporte

A asa-delta e o paraglider (conhecido como parapente) são duas versões de Vôo-Livre.

O Parapente, também conhecido como Paraglider nos países de língua inglesa, surgiu inicialmente na Europa no início dos anos 80, que por necessidade dos alpinistas, após escalar montanhas, a fim de descer facilmente, utilizavam o equipamento para descê-las voando.

No início os parapentes (paraglider) ainda eram experimentais e seu uso se resumia à pequenos vôos. Nos dias de hoje, inúmeras fábricas surgiram no mundo inteiro e os projetos têm se evoluído cada vez mais, proporcionando vôos cada vez mais seguros e mais longos, neste espetacular esporte radical.

No Brasil, o primeiro vôo de Paraglider que se tem registro aconteceu em 1988, no Rio de Janeiro, onde dois suíços decolaram da rampa da Pedra Bonita que já era utilizada por praticantes de asa-delta. A novidade atraiu a atenção de alguns cariocas que tinham em comum o fascínio pelo vôo-livre.

Assim se formou o primeiro grupo de pilotos brasileiros. O vôo, que naquela época durava poucos minutos, às vezes não permitia ao piloto chegar na praia, o que o obrigava a procurar um lugar para pousar em meio do caminho.

A asa-delta surgiu primeiro, no início dos anos 70. No Rio Grande do Sul, os primeiros vôos foram realizados em 1976 por um grupo de policiais rodoviários que se dominavam os “Falcões”.

Realizaram as suas primeiras experiências no Morro do Chapéu em Sapucaia do Sul. Posteriormente descobriram o Morro Ferrabraz (Sapiranga), onde o esporte realmente se firmou e evoluiu.

Atualmente o planeio dos parapentes chega a ultrapassar a razão de 8/1, ou seja, para cada 8 metros voando para frente 1 metro de altitude é perdido.

Graças à evolução da tecnologia os vôos de distância têm se tornado cada vez mais frequentes, iniciando uma corrida pela quebra dos recordes mundiais

Considerado por seus praticantes como um esporte radical, o Paraglider (ou parapente), diferente do pára-quedismo, o objetivo é plainar durante o maior tempo possível, enquanto no pára-quedismo a grande emoção está na sensação da queda livre

Reúne pessoas de diferentes classes sociais, formação cultural e condicionamento físico, dividem rampas do pais como se fossem uma grande família. A camaradagem e o bom humor são facilmente encontrados no meio.

No paraglider o esportista fica “sentado”, na asa-delta o piloto “deita de barriga”.

Na asa-delta é preciso uma rampa para saltar, no paraglider ou parapente, tendo um espaço na montanha ou morro é o suficiente. O paraglider só decola se estiver aberto.

Vôo Livre

O vôo livre tem duas modalidades: A asa delta e o paraglider (parapente).

* Paraglider – denominação em inglês: PARA (paraqueda) GLIDER (planar) – Paraquedaplanador.
* Parapente – denominação em francês: PARA (paraqueda) PENTE (encosta) – Paraqueda de encosta.

Paraglider e Asa Delta

Embora os mesmos princípios básicos permitam a prática de vôo livre, as duas modalidades possuem diferenças básicas, pricipalmente quanto à sua estrutura e forma de pilotagem.

Quanto à estrutura: Asa Delta – estrutura rígida (metálica e cabos de aço) que mantém o seu perfil aerodinâmico.

Paraglider: A pressão interna de ar é que mantém o perfil aerodinâmico.

Quanto à forma de pilotagem: Asa Delta – O piloto fica preso a asa como um pêndulo e o deslocamento do centro da gravidade deste pêndulo é que permite a aceleração e a realização de curvas.

Paraglider: O comando é bem mais simples, existem dois freios e através deles se comanda a aceleração e a realização das curvas.

As Dificuldades

Na asa delta, a maior dificuldade são as primeiras aulas. Como o comando é pelo deslocamento do centro da gravidade, até o aluno achar o ponto e a intensidade do comando, tem que fazer muitas corridas junto ao solo, o que exige um bom preparo físico.

No paraglider é muito fácil de se dar os primeiros vôos. A maior dificuldade é a auto-confiança dos alunos que os leva a operar fora dos limites, o que pode resultar em acidentes.

Dos equipamentos

Os equipamentos obrigatórios são o cinto, pára-quedas de emergência, mosquetão e capacete.

Equpamentos opcionais: Rádio para comunicação, altivário e GPS.

O Paraglider é um equipamento simples e prático. Vem em uma mochila pesando, em média, 12 quilos, o que facilita seu transporte em moto ou nas costas.

Quando praticar o esporte, consuma bastante água, refeições leves, roupas que facilitem o movimento, tênis, joelheira de skatista, capacete e protetor solar.